sábado, agosto 21, 2010

Reencontrando o amor

OgAAAA8uQ61Zo7ofiA3uWkcSModPFoabzdwEKpAgfz_Hoe1OIvcv_QqqGJk0xsudidWx0Cvu8OlPm7tvrancqNq-djUAm1T1UBiJ-UYwiuLjY_0fMzFTaCOFWiHL     Júlia saiu atordoada da casa de Victor. Aquela tinha sido a pior briga em três anos de relacionamento. As palavras ditas a faziam pensar que talvez a relação estivesse se desgastado mais do que seria possível consertar. Ali naquela sala, entre gritos e ofensas, ela não conseguia ver nenhum vestígio do imenso amor que havia (ou deveria haver) entre eles. Parecia que o tempo tinha levado embora todas as coisas boas. Ela nunca acreditou que amor tivesse prazo de validade, mas começava a pensar que talvez o deles tivesse vencido. Ela andou a esmo pelas ruas, não queria ir pra casa pois sabia que estar lá não faria com que ela se sentisse melhor. Depois de andar por muito tempo ela chegou ao lugar que procurava inconscientemente. Ao se ver diante da rodoviária ela soube exatamente para onde deveria ir. A casa de praia onde tudo começou, se ainda havia alguma coisa do grande amor que a fizera tão feliz ele estaria lá.

   Victor estava triste pela briga. Ele não entendia o que estava acontecendo entre ele e Júlia. O amor entre eles era tão grande, mas não parecia suficiente para levá-los adiante. Ele ligou o som e se sentou no chão do quarto sem realmente ouvir a música. ele pensava em Júlia, no quanto ele a amava, nos planos que fizeram, nos muitos momentos felizes que compartilharam em três anos. Será que uma coisa assim podia simplesmente acabar ? Depois de se fazer essa pergunta ele ficou olhando para o nada, perdido em pensamentos. Algumas horas depois ele voltou ao mundo decidido a procurar por Júlia, mas ela não estava em casa, nem com as amigas, nem em nenhum outro lugar na cidade. Ele já não sabia mais para onde ir. O sentimento de que a perdera definitivamente crescia a cada segundo. Victor sentia que precisava fugir e foi isso que ele fez. Correu para a rodoviária e pegou um ônibus para o lugar onde três anos atrás vivera o melhor momento da sua vida.

   Júlia chegou no meio da tarde e ficou contente ao descobrir que a casa não estava alugada. Ela entrou pela porta dos fundos que sabia ser fácil de abrir e subiu para aquele que costumava ser o seu quarto quando passava as férias ali. Enquanto andava ela observou tudo ao redor, revivendo cada lembrança que aquele lugar lhe trazia. Ela entrou no quarto, andou até a janela e respirou fundo sentindo a leveza e a calma a sua volta. Ela pulou pra fora da janela e se sentou no telhado onde ela e Victor tinha dado o seu primeiro beijo. Ficou sentada ali por um tempo, relembrando o amor que começou ali. Distraída com as lembranças Júlia se assustou quando notou Victor ao seu lado. Passado o susto de ambos eles começaram a rir. Sentados lado a lado eles nem precisaram de palavras para acertar as coisas. Despidos de qualquer armadura eles se beijaram reencontrando ali um amor bem maior que o de três anos atrás.

9 comentários:

  1. Que lindo! Super fofo. O amor de verdade nunca acaba, apesar de brigas, discussões. Os amados podem até ter que ficar longe, mas sempre dura.

    ResponderExcluir
  2. Ount, que lindo o texto amor, realmente incrível. Passando para ser uma seguidora ativa, beijos.

    ResponderExcluir
  3. que lindo que lindo, fiquei sem palavras. Esses reencontros devem ser a melhor coisa, é tudo que eu queria hoje.

    ResponderExcluir
  4. Floor, eu fiquei um boooom tempo longe da net por mega falta de tempo, acho que ainda não te agradeci por me ajudar com o calendário do blog... então: OBRIGAAADA! *------*

    ResponderExcluir
  5. Gostei, amor, amor, amor,, ótimo o texto.

    ResponderExcluir
  6. às vezes o amor não basta, é preciso coragem, porém o reencontro é doce, se ainda houver amor.
    adoro esse nome, Júlia, e a imagem que tu usou, eu a tenho guardadinha pra usar há tempos.
    linda demais.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. reencontro é o melhor que tem. beijo

    ResponderExcluir
  8. Isso de duas pessoas que se amam se separando é tão comum. Me faz pensar no quanto nós complicamos a vida e temos a terrivel mania de não acreditar no amor. Achei lindo, principalmente o lugar do reencontro. Me deu até vontade...

    ResponderExcluir

- Se não leu o texto não comente só para eu comentar no seu blog, não me dou ao trabalho de responder esse tipo de comentário.
- Faça comentários relacionados ao texto, se quiser falar sobre outro assunto existem várias outras formas de entrar em contato comigo.
- Se quiser deixar o link do seu blog comente com Open ID, meu blog não é uma página de propagandas.
- Não peça para eu seguir seu blog, twitter, etc. Se eu achar interessante seguirei por conta própria.
- E se usar um texto meu me avise e dê os créditos. Plágio é crime!

Enfim, não gostaria de ser chata impondo regras aos comentários, mas algumas pessoas exageram.
Espero compreendam e que tenham gostado do blog.
Voltem e comentem sempre. ;)
Beijo :*