sábado, fevereiro 13, 2010

Ei vida, voltei!

Fazia um calor insuportável no dia em que eu morri. Não sei bem como tudo aconteceu, mas isso também não é relevante. O que importa é que quando eu cheguei no céu tive uma grande decepção. Aquele lugar parece uma repartição pública!  Milhares de anjos, santos e espíritos atrapalhados andando de um lado pro outro com fichas que diziam pra onde iria cada um daquela fila enorme que lá estava formada. Eu cheguei lá meio confusa e peguei a minha senha para ser atendida, eu era a 10550 e o anjo mal-humorado estava chamando o número 200. Não preciso dizer que fiz um escândalo né? Comecei a gritar e armei o maior barraco já visto no céu desde que o Santo Antônio pegou a Nossa Senhora dos Navegantes com um anjo recém promovido. Eu criei uma confusão tão grande que Ele veio me ver pessoalmente e acabou ordenando que me mandassem de volta ao mundo. Porém um daqueles anjos idiotas fez uma confusão e acabou dando meu corpo pra uma idiota que estava reencarnando naquele dia. Como eles queriam se livrar de mim permitiram que eu escolhesse qualquer pessoa pra reencarnar. Eu como não sou boba escolhi um super astro do rock que eu amava: Johnny Devil.
Logo que cheguei a Terra descobri que tinha feito a pior escolha da minha vida (ou da minha morte, não sei bem). O meu ídolo era o maior babaca da história. Vivia rodeado de garotas interesseiras e viciados. Ele próprio não era flor que se cheirasse, por mais que cheirar fosse o forte dele. Na minha primeira manhã como Johnny eu já me meti na primeira confusão, mas essa foi bem engraçada. Eu estava tomando café no restaurante do hotel onde a banda estava hospedada quando de repente vi o Fill, nosso baixista que é também o maior gato que eu já conheci. E bom, eu estava acostumada a ser mulher e instintivamente comece a paquerá-lo. Só não apanhei porque acharam que eu estava de porre. Rs.
Entretanto, nem todas as confusões foram divertidas. Uma garota tentou me matar porque eu dei um fora nela (WTF?), traficantes vieram bater na minha porta cobrando e oferecendo suas mercadorias e eu descobri que meu empresário tinha desviado milhões da minha conta enquanto eu (eu Johnny, não eu Gabe) estava me drogando pelas ruas de Manhattan. É muito azar, eu morri e ganhei uma segunda chance que no começo me pareceu a melhor coisa do mundo. E agora estava falida, tendo crises de abstinência porque me recusei a continuar usando drogas e devendo até as calças de couro que usava nos shows. Então, apareceu uma garota dizendo que eu era o pai do filho dela. Bom, desgraça nunca vem sozinha né?! Mas essa acabou sendo uma coisa boa. O meu filho Jim, tem 19 anos e é uma garoto incrível. O oposto do que o Johnny era quando engravidou a Jane. Ele me ajudou a colocar as contas em dia, conseguiu fechar ótimos shows pra mim e eu finalmente consegui quitar todas as dividas.
Já faz três anos que eu sou Johnny. Meu último disco foi o mais vendido nos EUA em 2009. Minha música de trabalho é a mais pedida em todas as rádios do mundo. E eu já juntei quase todos os milhões que aquele empresário maldito me roubou. Eu descobri que essa vida de rock star não é tão legal como eu pensava e que me ídolo era um grande imbecil. Mas eu aprendi que tem coisas mais importantes que dinheiro e fama, como o meu filho que foi o maior presente dessa minha segunda chance. Passar a ser Johnny fez com que eu me tornasse uma Gabe (ou quem quer que eu seja realmente) muito melhor. Meu único problema são os relacionamentos já que ainda não me sinto confortável pra beijar uma mulher, mas também não tenho interesse numa relação homossexual. Mas enfim, não se pode ter tudo na vida né e o que eu tenho já é suficiente pra me fazer feliz.

7 comentários:

  1. ^^ huahauhauahau
    Meu Deus, que tragetória maluca!
    Eu que não ia escolher ser um rock star...
    Mas, pelo menos teve um lado bom, neh? Depois que mudou de alma, ele passou a ser uma pessoa melhor.

    *Seu layout é lindo!!! o/

    ResponderExcluir
  2. Quando a gente pensa na vida de um rockstar pensa que tudo é estrelas né? Hahahahah
    O bom é que com a experiência você começou a ser uma pessoa melhor, e também a valorizar o que tem, né?
    Seu texto tá ótimo, adorei!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  3. Para João Felipe:
    Nunca mais passou por aqui =/
    Ainda lê o blog ?
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. nossa Gabe, adorei seu conto. Indo e vindo para aprender a dar valor nos pequenos detalhes. Pena que as vezes aprendemos isso "fora" da gente, sempre vendo nos outros o que queriamos em nós.

    ResponderExcluir
  5. Boa sorte no BK! Li tudinho e gostei.

    Estou seguindo*

    ResponderExcluir
  6. Que legal a historia que tu inventou, sério ficou muito bom...
    Boa sorte no blorkutando!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. PARECE CRONICA! gente, adoreeei, parabéns

    ResponderExcluir

- Se não leu o texto não comente só para eu comentar no seu blog, não me dou ao trabalho de responder esse tipo de comentário.
- Faça comentários relacionados ao texto, se quiser falar sobre outro assunto existem várias outras formas de entrar em contato comigo.
- Se quiser deixar o link do seu blog comente com Open ID, meu blog não é uma página de propagandas.
- Não peça para eu seguir seu blog, twitter, etc. Se eu achar interessante seguirei por conta própria.
- E se usar um texto meu me avise e dê os créditos. Plágio é crime!

Enfim, não gostaria de ser chata impondo regras aos comentários, mas algumas pessoas exageram.
Espero compreendam e que tenham gostado do blog.
Voltem e comentem sempre. ;)
Beijo :*